Avançar para o conteúdo

Tiroteio de arquitetura de CPU de Tom: 16 CPUs, um núcleo cada e 3 GHz

    1652315882

    Um tiroteio real (teórico) de desempenho

    Desde que a AMD e a Intel começaram a colocar mais núcleos de processamento em suas CPUs, o desempenho potencial cresceu mais rápido do que quando as CPUs de núcleo único eram reis, graças à paralelização. Naquela época, aumentar as frequências mais altas e melhorar o desempenho por clock eram as únicas maneiras de acelerar as coisas. Agora, um desenvolvedor precisa otimizar seu aplicativo para aproveitar vários núcleos. Mas isso permite o dimensionamento que simplesmente não era possível antes.

    Todos sabemos que tecnologias de fabricação mais avançadas estão abrindo caminho para mais núcleos por CPU, e que as taxas de clock também estão aumentando lentamente. Mas como a AMD e a Intel melhoraram o desempenho que cada núcleo é capaz de fornecer em uma determinada frequência? As CPUs de hoje são mais rápidas do que um Core 2 de cinco anos se você comparar um único núcleo na mesma velocidade? Pegamos 16 processadores diferentes de ambas as empresas e executamos nosso mais recente conjunto de benchmarks, cada um operando a 3 GHz. Esta história examina como todos eles fazem o que a maioria das pessoas consideraria um tiroteio muito experimental entre CPUs de núcleo único criadas artificialmente introduzidas nos últimos cinco anos.

    Pré-requisitos e Processadores

    Em preparação para este artigo, tivemos que olhar para os processadores disponíveis para nós para benchmarking. É claro que queríamos incluir os produtos mais recentes da AMD e da Intel com quatro e seis núcleos. Também pensamos que seria importante incluir um número maior de produtos dual-core. Afinal, muita coisa mudou desde que o Athlon 64 X2 e o Pentium 4 dominaram a selva. Nossa seleção inclui processadores Core de primeira e segunda geração com dois, quatro e seis núcleos, além dos modelos Phenom II, Athlon II e Athlon 64 X2.

    É realmente um desafio encontrar placas-mãe para um trabalho como esse se você realmente deseja limitar o uso do núcleo no BIOS. Tivemos que experimentar muitos assuntos em potencial antes de encontrar um para cada interface de CPU que nos permitisse modificar o número de núcleos ativos. E como não podíamos ter certeza de que desabilitar os núcleos de processamento no BIOS os desligaria fisicamente, evitamos medir o consumo de energia.

    A batalha de 3 GHz

    Essa comparação não faria muito sentido se executássemos cada processador em sua taxa de clock padrão. Além de limitar o número de núcleos ativos a um, também bloqueamos a frequência de cada chip para 3 GHz. Também desativamos todos os mecanismos de economia de energia como Cool’n’Quiet e SpeedStep, bem como aprimoradores de desempenho como Turbo Core e Turbo Boost. Como resultado, podemos ter certeza de que as condições para testar cada CPU são idênticas. Existem apenas duas exceções. Nossos chips baseados em Clarkdale e Lynnfield funcionam a 2,93 GHz. Poderíamos ter atingido 3 GHz ajustando os clocks base e multiplicadores, mas isso teria alterado os resultados. Perder 66 MHz é mensurável, claro, mas não deve alterar o quadro geral.

    0 0 votes
    Rating post
    Subscribe
    Notify of
    guest
    0 comments
    Inline Feedbacks
    View all comments
    0
    Would love your thoughts, please comment.x
    ()
    x